Finanças e Investimentos

Consumismo: o que é e como abordar em sala de aula

Postado em: 21/05/2024

Vivemos em uma realidade em que o consumo é uma prática inevitável e necessária para suprir nossas demandas básicas e até mesmo para proporcionar conforto e bem-estar. No entanto, quando esse consumo ultrapassa os limites da necessidade e se transforma em algo compulsivo torna-se consumismo, um hábito que impacta a sociedade não apenas economicamente, mas em aspectos sociais, culturais e ambientais, levando a consequências como o endividamento e o desperdício.

Por isso, é um tema essencial para a sala de aula, já que é necessário promover uma formação mais consciente e sustentável dos estudantes, fornecendo ferramentas para compreender e refletir sobre suas escolhas e responsabilidades. Continue a leitura e saiba o que é o consumismo, como o consumo consciente é uma alternativa a ele, de que forma o consumismo impacta crianças e jovens e, ainda, veja 5 dicas de como abordar o tema no ambiente escolar.

O que é consumismo?

Segundo o dicionário Oxford Languages, consumismo é o consumo ilimitado de bens duráveis e artigos supérfluos. Ele pode ser definido também como a busca incessante por bens materiais e a valorização do consumo como forma de alcançar felicidade, status e realização pessoal. Ele se manifesta na compulsão por adquirir produtos, muitas vezes desnecessários, impulsionada por questões culturais e sociais. Essa mentalidade é alimentada, por exemplo, pela publicidade, que cria necessidades artificiais e promove um ciclo de consumo contínuo.

O consumismo é também um gatilho mental que leva as pessoas a fazerem escolhas inconscientes e tomarem decisões impensadas, sem considerar as consequências, o que pode atrapalhar suas finanças e impactar suas metas e objetivos. Além disso, pode estar associado a outros gatilhos como a impulsividade e o desperdício. O hábito de consumir de forma exagerada pode, até mesmo, chegar ao ponto de se tornar uma questão patológica.

O que é consumo consciente?

O consumo pode ser entendido como o ato de adquirir bens e serviços para atender às necessidades e desejos humanos. No entanto, o consumo consciente representa uma abordagem mais reflexiva e responsável desse processo. Ao contrário do consumismo, que se baseia na busca incessante por mais, o consumo consciente envolve uma avaliação criteriosa das escolhas de consumo, levando em consideração não apenas as necessidades individuais, mas também os impactos sociais, ambientais e econômicos dessas escolhas, por meio de uma reflexão sobre a real necessidade dos produtos, a origem e os processos de produção, além do descarte adequado.

A partir desta reflexão, as decisões são tomadas a partir da preferência por produtos duráveis e de qualidade até a valorização de práticas sustentáveis, como a reciclagem, o consumo local e a redução do desperdício. Ao optar pelo consumo consciente, os indivíduos são capazes de fazer escolhas mais alinhadas com seus valores pessoais e contribuir para um mundo mais equilibrado e sustentável, combatendo, assim, os excessos do consumismo.


Impactos do consumismo nas crianças e jovens

O consumismo exerce uma forte influência nas crianças e jovens, moldando suas percepções e comportamentos desde cedo. As crianças são expostas a um bombardeio de propagandas que as incentivam a desejar produtos, muitas vezes associando-os à felicidade e aceitação social. Assim, o consumismo acarreta impactos, como:

  • Aumento de comportamentos impulsivos;
  • Adultização da criança;
  • Dificuldades para planejar o futuro;
  • Sentimentos de inadequação e insatisfação constantes;
  • Relacionamentos competitivos;
  • Estresse familiar.

Além disso, o consumismo pode contribuir para o endividamento precoce, pois os jovens são levados a adquirir produtos além de suas possibilidades financeiras, buscando acompanhar padrões de consumo inatingíveis. Dados do SPC Brasil mostram que 46% dos brasileiros, com idade entre 25 e 29 anos estão endividados e inadimplentes. Já entre os jovens, com idade entre 18 e 30 anos, 75% não fazem controle de gastos. Isso pode gerar problemas como a falta de controle financeiro e a incapacidade de planejar o futuro.

5 dicas para abordar o consumismo em sala de aula

Diante do que você vimos, abordar o consumismo em sala de aula é essencial para formar estudantes mais conscientes e financeiramente responsáveis, além de construir uma sociedade mais sustentável. Assim, é fundamental adotar estratégias pedagógicas que estimulem a reflexão, a crítica e a ação dos estudantes. 

Nesse sentido, apresentamos a seguir cinco dicas que podem ser úteis para os educadores engajar os estudantes nesse importante debate. Essas dicas visam não apenas transmitir conhecimento sobre o tema, mas também estimular o desenvolvimento de habilidades e atitudes que ajudem os estudantes a se tornarem consumidores mais responsáveis e conscientes do seu papel na sociedade e no meio ambiente.

Promover o consumo consciente

Debater sobre a importância do consumo consciente e suas vantagens é crucial. Os estudantes podem ser incentivados a pensar sobre os impactos sociais e ambientais de suas escolhas de consumo, bem como a buscar alternativas mais sustentáveis, como o compartilhamento ou troca de brinquedos, diminuindo o consumo excessivo entre as crianças. Com estas ações, é possível trabalhar conceitos como sustentabilidade, reutilização e reciclagem. 

Estimular a criatividade e a autonomia

Promover atividades que estimulem a criatividade e a autonomia dos estudantes é uma forma eficaz de reduzir a dependência do consumo material. Oficinas de reutilização de materiais, por exemplo, podem mostrar como é possível criar novos produtos a partir de itens já existentes.

Análise crítica da publicidade

Incentivar a análise crítica da publicidade é uma forma eficaz de combater os efeitos do consumismo. Os estudantes podem ser convidados a identificar técnicas de persuasão usadas em propagandas, principalmente nas redes sociais e por intermédio de influencers, e a refletir sobre como elas influenciam suas escolhas.

Exemplos práticos e vivências

Oferecer exemplos práticos e vivências relacionadas ao consumo pode tornar o tema mais tangível para os estudantes. Visitas a cooperativas de reciclagem, debates com empreendedores sociais e projetos de conscientização na comunidade são formas de enriquecer o aprendizado.

Educação financeira

Incluir a educação financeira na matriz curricular é uma forma de ensinar os estudantes, desde cedo, a gerenciar o dinheiro, diferenciar desejos de necessidades, aprender a lidar com gatilhos como o consumismo e mudar comportamentos que podem impactar a vida adulta. Assim, eles desenvolvem habilidades essenciais para uma vida financeira saudável e protagonista. 

Em suma, abordar o tema do consumismo em sala de aula é essencial para uma formação mais consciente e responsável dos estudantes. Ao promover o consumo consciente, a análise crítica da publicidade e o desenvolvimento de habilidades financeiras, a escola desempenha um papel fundamental na preparação de crianças e jovens para enfrentar os desafios de uma sociedade marcada pelo consumismo. Investir na educação financeira desde cedo é investir no futuro de uma geração mais consciente, sustentável e financeiramente responsável.

Quer saber como a Jovens for Schools te ajuda nesta missão? Acesse nosso site e conheça nosso programa com três soluções, alinhado à Base Nacional Comum Curricular e à EntreComp, que leva a Educação Socioemocional, Financeira e Empreendedora para as escolas, formando estudantes líderes e protagonistas.

Artigos relacionados

O programa da maior empresa de educação financeira do Brasil.

Educação socioemocional, financeira e empreendedora de forma lúdica, prática e intuitiva.

JOVENS FOR SCHOOLS 
CNPJ – 33.229.343/0001-81

Posso ajudar?