Socioemocional

Afeto, emoção e sentimento: qual a diferença e por que levar a aprendizagem para a escola

Postado em: 26/04/2024

O ambiente escolar não é apenas um espaço de aprendizado acadêmico, mas também um lugar onde as relações interpessoais e o desenvolvimento socioemocional dos estudantes são fundamentais. Lidar com as emoções na escola é uma tarefa desafiadora, porém essencial para o desenvolvimento saudável dos estudantes, impactando, inclusive, em seu desempenho acadêmico e preparação para uma carreira de sucesso no futuro. 

Neste artigo, abordaremos as diferenças entre afeto, emoção e sentimento, destacando sua relevância no contexto escolar e como a compreensão desses conceitos pode contribuir para uma educação integral.

Qual a diferença entre afeto, emoções e sentimentos?

Em diferentes contextos, estas três palavras sempre aparecem em nossa rotina quando tentamos descrever o que estamos sentindo. Muitas vezes, elas são tratadas como sinônimos, mas possuem aspectos distintos que as identificam. Não é raro, porém, que estejam ligadas: o afeto pode iniciar uma emoção e, esta, dar origem a um sentimento. Abaixo, vamos entender as diferenças entre elas e como se conectam. 

O que é afeto?

A palavra afeto tem origem no verbo afetar, que deriva na raiz latina afficere e tem como significado “fazer algo, agir sobre, fazer, manejar”. Assim, entendemos o afeto como os estímulos que nos atingem, que podem gerar alguma emoção. Uma definição dada pelo psicanalista Wilson Klein é a de que o afeto é uma manifestação orgânica. “Ele nasce no corpo, parte do corpo e age sobre o corpo”, afirma.

O que é emoção?

A emoção é, então, uma resposta ao afeto. É uma reação psicofisiológica breve e intensa, diante de estímulos específicos e acontece sem que tenhamos controle sobre ela. Ainda que não tenhamos conseguido identificar ou nomear o que estamos sentindo, os sinais já se manifestam em nosso corpo – uma lágrima, batimentos cardíacos acelerados, respiração ofegante. A emoção pode ser desencadeada por nossos pensamentos e lembranças, mas também por estímulos externos como uma música ou a visão de algo ou alguém. 

O que é sentimento?

O sentimento é a interpretação consciente da nossa emoção. Após algo nos afetar e despertar uma emoção, racionalizamos este estímulo, dando significado e nomeando nossas reações emocionais: assim, chegamos ao sentimento. Ele é mais duradouro e complexo do que as emoções, envolvendo pensamentos, crenças e memórias. 

Embora sejam distintos, é importante entender que afeto, emoção e sentimento não ocorrem necessariamente de forma dissociada, por isso, muitas vezes, são confundidos. Em geral, eles se manifestam juntos e se retroalimentam simultaneamente.

Como as emoções se transformam em sentimentos?

As emoções são a resposta imediata a estímulos externos ou internos, enquanto os sentimentos são construídos a partir da interpretação dessas emoções. Por exemplo, se um estudante é elogiado pelo seu trabalho na escola, ele pode sentir a emoção imediata de alegria. No entanto, ao refletir sobre esse elogio e atribuir significado a ele, o estudante pode desenvolver o sentimento de autoestima e confiança.

Para entender melhor como isso acontece, vamos nos aprofundar mais nas emoções. Segundo Don Hockenbury e Sandra E. Hockenbury, as emoções envolvem três componentes: experiência subjetiva, visto que pode ser vivenciada de formas muito distintas; resposta fisiológica, que é a maneira como o corpo reage; e resposta comportamental, que é a expressão da emoção em si. 

Durante muitos anos, estudiosos tentaram descrever quais são as emoções básicas e, segundo Paul Eckman, elas podem ser listadas como: medo, nojo, raiva, surpresa, felicidade e tristeza.

Assim, a transformação destas emoções em um sentimento ocorre por meio de um processo cognitivo complexo. Quando experimentamos uma emoção, como alegria, tristeza ou raiva, nosso cérebro interpreta os sinais físicos e químicos associados a ela. Em seguida, buscamos atribuir significado a esses sinais, utilizando nossas experiências passadas, valores, crenças e expectativas. Esse processo de interpretação e atribuição de significado é fundamental para a formação dos sentimentos e para a maneira como nos relacionamos com o mundo ao nosso redor.


Por que trabalhar as emoções na escola?

Trabalhar as emoções de forma intencional nas escolas, como parte integrante do currículo, é de suma importância para o desenvolvimento integral dos estudantes. Ao incluir a educação socioemocional como um componente essencial do processo de ensino-aprendizagem, as escolas fornecem aos estudantes as ferramentas necessárias para compreenderem e lidarem com suas próprias emoções e as dos outros, o que não apenas contribui para um ambiente escolar mais seguro e acolhedor, mas também prepara os estudantes para enfrentarem os desafios da vida adulta de maneira mais eficaz. 

Ao aprenderem a gerenciar suas emoções, os estudantes desenvolvem habilidades e competências importantes, como autoconsciência, autorregulação, empatia e habilidades sociais. Dessa forma, torna-se possível criar uma cultura escolar que valorize e promova o desenvolvimento socioemocional como ferramenta não apenas para o sucesso acadêmico, mas também para uma vida plena e significativa.

Entenda, abaixo, os principais motivos para incluir a educação socioemocional na escola:

  1. Desenvolvimento pessoal: a escola é um ambiente propício para os estudantes aprenderem a identificar, compreender e expressar suas emoções de forma saudável. Isso contribui para o desenvolvimento pessoal e a construção de relações interpessoais positivas.
  2. Desempenho acadêmico: estudos mostram que o bem-estar emocional dos estudantes está diretamente relacionado ao desempenho acadêmico. Crianças e jovens que conseguem lidar eficazmente com suas emoções têm maior capacidade de concentração, motivação e resiliência.
  3. Prevenção de problemas comportamentais: o aprendizado de habilidades socioemocionais ajuda a prevenir problemas comportamentais, como agressão, bullying e violência, criando um ambiente escolar mais seguro.
  4. Preparação para a vida: as competências e habilidades socioemocionais são fundamentais para o sucesso na vida adulta. A escola é o lugar ideal para que os estudantes se preparem para o futuro, praticando a empatia, o trabalho em equipe, a resolução de conflitos e outras habilidades importantes para a vida.

Educação socioemocional: impactos na formação integral

A educação socioemocional é uma abordagem que visa promover o desenvolvimento das habilidades socioemocionais dos estudantes de forma intencional e com metodologia específica nas escolas. Ela envolve a integração de atividades específicas no currículo escolar, como programas de educação socioemocional, práticas de resolução de conflitos e atividades de mindfulness.

Alinhada às diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a educação socioemocional é uma das ferramentas cruciais da formação integral e causa impactos não apenas na vida acadêmica dos estudantes, mas em toda a comunidade escolar e nas famílias. 

Melhor desempenho acadêmico

Os estudantes que participam de programas de educação socioemocional demonstram melhorias no desempenho acadêmico, já que conseguem ampliar a concentração e o senso de responsabilidade, incluindo aumento das notas e taxas de aprovação.

Relações interpessoais saudáveis

A educação socioemocional promove o desenvolvimento de habilidades e competências, como comunicação, empatia e cooperação, essenciais para a construção de relações interpessoais saudáveis.

Educadores mais acolhedores e engajados

Ao integrar a educação socioemocional no currículo, os educadores passam por formações e capacitações que os tornam mais preparados para lidar com as necessidades emocionais dos estudantes. Além disso, ficam mais engajados e motivados, percebendo o impacto positivo que podem exercer. 

Famílias mais envolvidas e colaborativas

A educação socioemocional também envolve as famílias, aumentando seu envolvimento no processo de aprendizagem dos filhos. Os pais e responsáveis são incluídos em ações de educação socioemocional e encorajados a reforçar esses conceitos em casa. Isso cria uma parceria mais forte entre a escola e as famílias, promovendo um ambiente de apoio emocional consistente para os estudantes.

Prevenção de comportamentos de risco

Com a educação socioemocional, os estudantes desenvolvem competências e habilidades como a tomada de decisão responsável e a resistência à pressão dos pares, reduzindo comportamentos de risco, como o bullying.

Preparação para o futuro

As habilidades socioemocionais são cada vez mais valorizadas pelo mercado de trabalho. Estudantes que recebem uma formação integral, que inclui educação emocional e social, estão mais bem preparados para enfrentar os desafios do mundo adulto.


Como vimos neste artigo, entender as diferenças entre afeto, emoção e sentimento é o primeiro passo para lidar de forma eficaz com as emoções na escola. A educação socioemocional desempenha um papel crucial na formação integral dos estudantes, preparando-os não apenas para um futuro profissional de sucesso, mas também para uma vida emocionalmente mais saudável e ativa na sociedade. Portanto, investir em programas e práticas que promovam o desenvolvimento socioemocional deve ser uma prioridade em todas as escolas.

A Jovens for Schools atua levando a Educação Socioemocional, Financeira e Empreendedora a mais de 200 mil estudantes no Brasil, em um programa único com três soluções essenciais para a formação integral. Quer conhecer melhor e saber como formar estudantes mais preparados para o presente e o futuro? Acesse nosso site, entre em contato e ofereça uma metodologia inovadora em sua escola!

Artigos relacionados

O programa da maior empresa de educação financeira do Brasil.

Educação socioemocional, financeira e empreendedora de forma lúdica, prática e intuitiva.

JOVENS FOR SCHOOLS 
CNPJ – 33.229.343/0001-81

Posso ajudar?